16.2C
Euclides da Cunha, BRASIL
quarta-feira, 5 de agosto de 2020
Euclidense
Chorrochó

A História de Chorrochó

A História de Chorrochó - Bandeira de Chorrochó
A História de Chorrochó – Bandeira de Chorrochó – Ilustração: Aldemi Oliveira

A História de Chorrochó 

 

Chorrochó vista aérea
A História de Chorrochó – Chorrochó vista aérea – Foto: chorrochoemfoco/upb – Reprodução

Chorrochó, é um município brasileiro do estado da Bahia, na microrregião de Paulo Afonso, no Vale do São Francisco. A Cidade de Chorrochó, localiza-se a uma latitude 8° 59′ 37” Sul e a uma longitude 39° 11′ 46” Oeste, estando a uma altitude de 346 m. Sua população de acordo com a estimativa populacional de 2017 é de 11.591 habitantes. Possui uma área de 3.005,318 km².

Municípios limítrofes: Macururé, Rodelas, Abaré, Curaçá, Uauá e Canudos em território baiano. Belém de São Francisco em território pernambucano

 

História

Vista parcial da cidade - Chorrochó, BA
Vista parcial da cidade – Chorrochó, BA – IBGE – A História de Chorrochó – Reprodução

História de Chorrochó – A cidade de Chorrochó teve sua origem numa fazenda pertencente aos condôminos: Capitão Francisco Alves de Carvalho, José de Sá e Antônio de Sá Araújo.

Era uma fazenda muito próspera com extensas várzeas e campos excelentes apropriados para criação extensiva de caprinos e bovinos, além de se prestar devido tanto ao relevo predominantemente subsistência da qual viviam escravos e agregados da família Pires de Carvalho de Belém.

Devido a estas condições, aventureiros de outros Estados pra cá vieram e se entrosaram pelos matrimônios com a família dos donos da fazenda, porque além de possuir o nível cultural equivalente ao deles caracteres de raça branca eram bem acentuados, requisitos muito em voga e exigidos pelas famílias tradicionais do sertão.

Casa da Fazenda Fabrício
Casa da Fazenda Fabrício no município de Chorrochó, BA – A História de Chorrochó – Divulgação

Não se sabe exatamente a data em que foi lançada a pedra fundamental da antiga fazenda Chorrochó, sabe-se que no ano de 1842 missionários acompanhados de índios rodeleiros que habitavam os sertões baianos, tendo como símbolo a cruz de cristo.

Eles travessaram o rio Macururé (riacho grande), cujas águas impetuosas e barrentas, nas suas famosas enchentes deram o nome de Chorrochó, que e de origem tupi, corrupção de CHORÓ = IMPETUOSOS, que repetido (choró, choró) forma o superlativo – mais ou muito impetuosos e referem-se às “águas do riacho grande” que são impetuosas nas proximidades da cidade.

No ano 1842, missionários que por aqui passaram encontraram oito casebres de taipa coberta com palhas, cujos moradores agregados e escravos da família Pires de Carvalho de Belém do São Francisco, exploravam em acrescida escalam caprinos e bovinos e cultivavam o solo com culturas de subsistência.

Antônio Conselheiro
A Única fotografia de Antônio Vicente Mendes Maciel (Antônio Conselheiro) quando vivo – maladeromances – A História de Chorrochó – Divulgação

 

 

Antônio Conselheiro
A História de Chorrochó – Antônio Conselheiro – Caricatura – Internet – Reprodução

Em vista do rápido desenvolvimento de Chorrochó, em 1862 a sede do 3º distrito que era no lugar predominado Macururé (hoje Macururé velho), foi transferida para Chorrochó. A primeira Escola Estadual foi criada pela lei provincial nº 1636 de 14 de julho de 1876.

O Professor Evaristo Cardoso Varjão Patte, natural de Uauá, foi nomeado para a cadeira de Chorrochó, aqui lecionado ate o ano de 1900, quando foi chamada a Curaçá, vindo a falecer em 1910.

Em 1877, Chorrochó já possuía uma movimentada feira semanal, congregada a maioria dos povoados da região. Ainda, nesse ano, chega o cearense Antônio Vicente Mendes Maciel, o Antônio Conselheiro, que ficou célebre na história da Guerra de Canudos, construindo um cemitério e a atual igreja em cuja fachada está a inscrição de 1885 que é também a data da devoção do povo de Chorrochó ao senhor do Bonfim.

A 06 de dezembro de 1906, pelo decreto nº 429, foi criado o distrito policial de Chorrochó.

 

Chorrochó no tempo de Lampião

A História de Chorrochó - Virgulino Ferreira da Silva
A História de Chorrochó – Virgulino Ferreira da Silva – google – divulgação

Na manha de 28 de julho de 1928, Virgulino Ferreira – Lampião chegou ao arraial de Várzea da Ema pertencente ao distrito de Chorrochó, acompanhado de cinco cabras.

Atrás desse bando já vinham às forças policiais de outros estados nordestinos, que não os encontrou, pois por operação ou proteção alguns fazendeiros deram auxílio aos bandidos nômades.

A História de Chorrochó - Sargento Otávio Farias
A História de Chorrochó – Sargento Otávio Farias- rádio telegrafista, serviu na Várzea da Ema – google – Reprodução

Com esse reduzido numero, Lampião não deu início ao terrível fenômeno do cangaço. Foi em novembro de 1929 a Sergipe, reunindo alguns cangaceiros nômades e voltou ao sertão baiano, tornando se o pavor da gente sertaneja: depredando propriedades rurais, roubando fazendeiros indefesos.

No sertão baiano, o Capitão Manoel Campos de Menezes mandou as operações contra os cangaceiros nordestinos, atuando na arriscada incumbência da campanha. Sua perspicácia surtiu bons resultados no trabalho da perseguição e desentoca mento dos bandidos cruéis.

As cangaceiras Joana Gomes dos Santos "Moça", companheira do cangaceiro Cirilo de Engrácia (à esquerda, filha de Várzea da Ema, BA) e Inacinha
As cangaceiras Joana Gomes dos Santos “Moça”, companheira do cangaceiro Cirilo de Engrácia (à esquerda, filha de Várzea da Ema, BA) e Inacinha – Google – Divulgação

O Capitão Menezes, nascido em Chorrochó no ano de 1906, escolheu este distrito para regimentar o seu batalhão de caça aos bandoleiros.

Dada sua localização as forças instruídas os fazendeiros para abandonarem suas propriedades e passarem a morar em Chorrochó, tanto para se livrarem dos bandidos massacres de lampião e seus cabras, como também para doarem asilo aos cangaceiros.

O distrito de Chorrochó ficou incólume dos ataques dos bandidos, mas muitas propriedades foram saqueadas, destruídos massacrados os fazendeiros, o arraial de Várzea da Ema foi incendiado, apesar da eficiência do comando do Capitão Menezes.

O Capitão Menezes acometido de meningite faleceu em outubro de 1937, antes o Tenente Bezerra exterminar o bando de Lampião no estado de Sergipe em julho de 1938.

Formação

A História de Chorrochó

Administrativa de Chorrochó  

 

Chorrochó e a primeira emancipação Política

Intendente, Francisco Pacheco de Menezes - Livro História de Chorrochó
Intendente, Francisco Pacheco de Menezes – Livro História de Chorrochó – Profa. Neusa Maria Rios Menezes de Menezes e Dr. Francisco Afonso de Menezes –
Divulgação

Francisco Pacheco de Menezes, natural do povoado de areia branca em Sergipe, veio para Chorrochó no ano de 1871 com a idade de 15 anos para morar com seus irmãos que já estavam devidamente estabelecidos.

Em janeiro de 1892, casou-se com Luciana Fonseca de Menezes, natural da fazenda areias. Criou laços efetivos ao povoado de Chorrochó, pois a ele dedicou-se com todas as formas de seu âmago.

Comerciante, conseguiu com seu irmão Aprígio Duarte, político de Juazeiro, uma carta apresentando ao governador do Estado o Dr. José Joaquim SEABRA.

Foi através desta apresentação que ele ingressou na carreira política tudo fazendo para Chorrochó se separasse da cidade de Curaçá.

Sendo é que no dia 22 de agosto de 1919 pela Lei Estadual nº 1371 Chorrochó estava emancipado.

 

Dr. José Joaquim SEABRA - Ex-governador do Estado da Bahia
Dr. José Joaquim SEABRA – Ex-governador do Estado da Bahia – A História de Chorrochó – Google – Reprodução

A intendência municipal foi composta da seguinte maneira:

Intendente: Francisco Pacheco de Menezes
Presidente: José Pires de Carvalho
Vice-presidente: Jonas Nogueira Campos
Conselheiros: Francisco Alves Filho, João Ferreira Neto, João Matos Cardoso e Silvio Bispo dos Santos.

No dia 1º de outubro de 1923 foi instalado o termo de Chorrochó criado pela lei nº 1671 de 30 de agosto de 1923 sendo:

  • Juiz municipal: Dr. Mario Mendonça e Silva
  • Escrivão dos feitos cíveis, criminais e paz: Antônio Pacheco de Menezes
  • Tabelião de notas: Adelino Alves de Carvalho
  • Adjunto do promotor: Nestor Pires de Carvalho
  • Avaliador do fórum: Marcolino Ferreira de Souza
  • Oficial de justiça: Manoel Vieira

Apesar da dedicação que o intendente Francisco Pacheco de Menezes tinha para com esta terra, aliado aos esforços de outros chorrochoenses que deixavam seus nomes na História de Chorrochó, mesmo assim espíritos medíocres aproveitaram da confiança de Francisco Pacheco de Menezes e quando menos se esperava, Chorrochó estava surpreso, voltando a simples condição de vila, novamente pertencente à Curaçá.

 

Chorrochó novamente emancipado politicamente

Dorotheu Pacheco de Menezes
Dorotheu Pacheco de Menezes – Livro História de Chorrochó – profa. Neusa Maria Rios Menezes de Menezes e Dr. Francisco Afonso de Menezes –
Divulgação

A ideia de Francisco Pacheco de Menezes de tornar Chorrochó uma sede municipal autônoma, permaneceu perfeita num dos seus filhos: Dorotheu Pacheco de Menezes, que sempre esteve ligado à vida política de Chorrochó, pois sempre representou a vila de Chorrochó na Câmara Municipal de Curaçá.

Grande oferta política Dorotheu Pacheco recusou para emancipar Chorrochó. Foi o governo de Regis Pacheco em 1952 que pela lei nº 510 de 12 de dezembro, o município foi desmembrada de Curaçá.

Em 30 de agosto de 1954, Eloy Pacheco de Menezes por decreto do governador do estado foi nomeado de gestor dos negócios municipais de Chorrochó, tomando posse no dia seguinte.

Em 12 de setembro de 1954, foram instalados os serviços públicos da Prefeitura Municipal de Chorrochó e legalmente investindo das funções do gestor, Eloy Pacheco de Menezes. A 13 de outubro deste mesmo ano foram realizadas as eleições municipais para 1ª Câmara de vereadores e o 1º prefeito.

 

A História de Chorrochó – Lista de Prefeitos

A 07 de abril de 1955, tomou posse a 1ª Câmara de vereadores, constituída dos seguintes Edis:

Onofre José Posidônio, Emiliano Soares Fonseca, Maria Joselita de Menezes, Ercilina Soares de Almeida, Eliseu Bispo Damasceno e Walter Augusto Jones. Também neste dia tomou a posse o 1º prefeito de Chorrochó: Aureliano Costa Andrade.Os vereadores: Antônio pires de Menezes e José Campos de Menezes, eleitos em 03 de outubro, foram empossados posteriormente.

A 07 de abril de 1959, tomou posse a Câmaras de vereadores e 2º prefeito eleito: Dorotheu Pacheco de Menezes. Com dinamismo administrativo, antes de completar um ano de administração, criou pela redução nº 2 de 20 de outubro de 1959 o Povoado de Caraíbas construiu o prédio da prefeitura municipal em 1962, construiu o matadouro público, escolas municipais, mercados e outras obras públicas em todos os distritos e povoados de Chorrochó.

No final de seu governo foi criado o Ginásio Municipal Oliveira Brito conhecido como antigo Colégio Cenecista São José.

A 07 de abril de 1963, tomou posse o 3º prefeito de Chorrochó, José Calazans Bezerra, a principal obra do seu governo foi a construção da barragem para abastecimento da cidade, também durante sua gestão tiveram inicio a sua gestão tiveram inicio as obras de construção do posto médico Francisco Pacheco de Menezes e do Grupo Escolar Dr. Luiz Viana filho, cultivo os desportos incentivando partidas futebolísticas com suas cidades vizinhas.

A 07 de abril de 1966, Chorrochó passa a ser governado novamente por Dorotheu Pacheco de Menezes, novos empreendimentos e atividades em prol da comunidade chorrochoense, destacando-se a criação e instalação da Comarca de Chorrochó pela lei nº 2314 de 01 de março de 1966, instalada em 21 de outubro de 1967, sendo seu primeiro juiz o Dr. Olinto Lopes Galvão filho e a construção do centro comercial em 1969.

A 31 de janeiro de 1970, vem è vez do 5º prefeito Antônio Pacheco de Menezes para um período de dois anos, a principal obra de sua administração foi o Açougue Municipal.

 

A 31 de janeiro de 1973, vem à vez do 6º prefeito, Pascoal Almeida Lima.
Em 1977, tomou posse o 7º prefeito Sebastião Pereira da Silva.
Em 1983 toma posse o 8º prefeito José Juvenal de Araújo.
Em 1989 toma posse o 9º prefeito João Bosco Francisco do Nascimento.
Em 1º de janeiro de 1993, toma posse o 10° prefeito Paulo de Tarço Barbosa Silva.
Em 1º de janeiro de 1997, toma posse o 11° prefeito José Juvenal de Araújo.
Em 1º de janeiro de 2001 é reeleito O atual prefeito José Juvenal de Araújo.
Em 1º de janeiro de 2005 toma posse o prefeito Humberto Gomes Ramos.
Em 1º de janeiro de 2009 toma posse o prefeito reeleito Humberto Gomes Ramos.
Em  Setembro de 2012  Paulo de Tarço Barbosa reassume a prefeitura novamente.
Em 1º de janeiro de 2013 toma posse Rita Campos.
Em 1º de janeiro de 2017 toma posse o prefeito Humberto Gomes Ramos.

 

 

Autora/Texto: Prof.ª Neusa Maria Rios Menezes de Menezes – historiadora de Chorrochó

A História de Chorrochó

Wikipédia, IBGE, Google

Posts relacionados

Deixe um comentário - Os comentários não representam a opinião deste site; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

O maior e mais completo portal de notícias da região, leva a você as principais notícias do Brasil e do Mundo.